Dall'interno del libro

Cosa dicono le persone - Scrivi una recensione

Nessuna recensione trovata nei soliti posti.

Pagine selezionate

Parole e frasi comuni

Brani popolari

Pagina 167 - Frouxo o verso talvez, pálida a rima Por este meus delírios cambeteia, Porém odeio o pó que deixa a lima E o tedioso emendar que gela a veia! Quanto a mim é o fogo quem anima De uma estância o calor: quando formei-a, Se a estátua não saiu como pretendo, Quebro-a — mas nunca seu metal emendo...
Pagina 5 - Cazotte, précédé de sa vie, de son procès, et de ses prophéties et révélations, par Gérard de Nerval, illustré de 200 dessins par Edouard de Beaumont.
Pagina 130 - Minha desgraça, não, não é ser poeta, Nem na terra de amor não ter um eco, E meu anjo de Deus, o meu planeta Tratar-me como trata-se um boneco... Não é andar de cotovelos rotos, Ter duro como pedra o travesseiro... Eu sei... O mundo é um lodaçal perdido Cujo sol (quem mo dera!) é o dinheiro... Minha desgraça, ó cândida donzela, O que faz que o meu peito assim blasfema, É ter para escrever todo um poema, E não ter um vintém para uma vela.
Pagina 190 - Lancei-me ao desviver: gastei inteira Na insânia das paixões a minha vida. Qual da escuma o fervor na cachoeira Quebrei os sonhos meus n'alma descrida. E do meio do mundo prostituto Só amores guardei ao meu charuto! IX E que viva o fumar que preludia As visões da cabeça perfumada! E que viva o charuto regalia! Viva a tremula nuvem azulada, Onde s'embala a virgem vaporosa!
Pagina 43 - Onde vais pelas trevas impuras, Cavaleiro das armas escuras, Macilento qual morto na tumba?... Tu escutas... Na longa montanha Um tropel teu galope acompanha? E um clamor de vingança retumba? Cavaleiro, quem és? - que mistério, Quem te força da morte no império Pela noite assombrada a vagar?
Pagina 72 - Arripia-se, pula, e dá-me um tombo Com pernas para o ar, sobre a calçada. . . . Dei ao diabo os namoros. Escovado Meu chapéu que sofrera no pagode Dei de pernas corrido e cabisbaixo E berrando de raiva como um bode. Circunstância agravante. A calça inglesa Rasgou-se no cair de meio a meio, O sangue pelas ventas me corria Em paga do amoroso devaneio!
Pagina 70 - Onde eu escrevo tremulo, amoroso, Algum verso bonito. . . mas furtado. Morro pela menina, junto dela Nem ouso suspirar de acanhamento. . . Se ela quisesse eu acabava a história Como toda a Comédia — em casamento.
Pagina 100 - Passei como Don Juan entre as donzelas, Suspirei as canções mais doloridas E ninguém me escutou... Oh ! nunca à virgem flor das faces belas Sorvi o mel nas longas despedidas... Meu Deus...
Pagina 71 - Minhas roupas tafuis encheu de lama... Eu não desanimei. Se Dom Quixote No Rocinante erguendo a larga espada Nunca voltou de medo, eu, mais valente, Fui mesmo sujo ver a namorada... Mas eis que no passar pelo sobrado Onde habita nas lojas minha bela Por ver-me tão lodoso ela irritada Bateu-me sobre as ventas a janela... O cavalo ignorante de namoros Entre dentes tomou a bofetada, Arripia-se, pula, e dá-me um tombo Com pernas para o ar, sobre a calçada...
Pagina 147 - Oh! páginas da vida que eu amava, Rompei-vos! nunca mais! tão desgraçado!.. Ardei, lembranças doces do passado! Quero rir-me de tudo que eu amava! E que doudo que eu fui! como eu pensava Em mãe, amor de irmã! em sossegado Adormecer na vida acalentado Pelos lábios que eu tímido beijava! Embora - é meu destino. Em treva densa Dentro do peito a existência finda... Pressinto a morte na fatal doença!... A mim a solidão da noite infinda!